Alikimista

Name:
Location: Portugal

Friday, June 30, 2006

Leituras...

Tuesday, June 27, 2006

Gostei


Não sou a areia
onde se desenha um par de asas
ou grades diante de uma janela.
Não sou apenas a pedra que rola
nas marés do mundo,
em cada praia renascendo outra.
Sou a orelha encostada à concha
da vida, sou construção e desmoronamento,
servo e senhor, e sou
mistério.

A quatro mãos escrevemos o roteiro
para o palco do meu tempo:
o meu destino e eu.
Nem sempre estamos afinados,
nem sempre nos levamos
a sério.

Lya Luft

Que foi me foi dada a conhecer por uma amiga...

Sunday, June 25, 2006

Quem conhece este rio?

Saturday, June 24, 2006

Virar de página...

Thursday, June 22, 2006

Existimos


"Falo o teu nome e lembro os teus olhos
quando o deserto se me afigura,
nada pergunto, saber para quê...
se o sentido obscuro do acontecer,
ágil se esgueira e dilui de razões...
vivo a descompasso e de adiamentos
não sei do lugar tão pouco de um tempo para o vivermos
e dos fios que a vida tecem, eu não sei...
sei do brilho diamantino de um olhar
sei do lume que o nosso peito acalenta
sei dos passos pouco a pouco no chão riscando um caminho...
tão pouco é o que sei e por ora ...
é bastante saber que por esse tão pouco ...existimos."

Wednesday, June 21, 2006

Sentidos ocultos...




Suspendeu-se o tempo
em pontes paradas,
em tardes passadas
em rios e levadas...

suspendeu-se o tempo
em suaves colinas
em firmes neblinas
em poços de minas...

e, no espaço, imóvel,
vibrou um poeta
quase sem ruido
dando aquele instante
todo o seu sentido.

Tuesday, June 20, 2006

Alegria, Verdade, Amor


São os três, intermutáveis e um conduz sempre aos outros. Não importa a ordem em que sejam dispostos…
Porque certas pessoas estão realmente dispostas a escutar. Estão dispostas a ouvir e a manter aberta a comunicação mesmo quando ela parece assustadora, disparatada, ou absolutamente errada…
Escuta os teus sentimentos. Escuta o que te dizem os teus pensamentos mais sublimes. Escuta a tua experiência…
Pois é da natureza humana amar, em seguida destruir e depois amar de novo aquilo que mais se preza…”

Neale Donald Walsch in Conversas com Deus.

Monday, June 19, 2006

Só nós dois sabemos...


"Não é preciso despedirmo-nos. Não vale a pena dizer quase nada. O que dizemos fica calado. Ouve-se só um pouco mais tarde. Aos poucos, baixinho, em segredo: são palavras que nós dois sabemos."*
* Pedro Paixão em "A Noiva Judia"

Sunday, June 18, 2006

Procuro-te



Procuro-te como os dedos da hera
se agarram ao muro neste instante.
Tempo de ser corpo de planta
atarefado na subida.
Tuas paredes estarão à minha espera?

Saturday, June 17, 2006

Dorme bem...


Nenhum rumor.
Nenhum frémito de asas.
Nada perturba a noite bela e calma.
E dormem os rosais, dormem os cravos.
Dormem abelhas sobre o mel dos favos e dorme, na minha alma, a tua alma"*

* Sofia M.B. Andresen

Friday, June 16, 2006

Quero-te...

Thursday, June 15, 2006

Tempo


"O tempo! O infinito espaço
cheio de tempo sem retorno,
como incorpóreo, invisivel laço
que me gela a alma desse frio.
O tempo das ribeiras e do rio
adormecido nas teias do cansaço,
dos dias e noites sem regaço,
da ternura das horas demitido.
Fosse eu estrela pra seguir seu passo!
E seria o teu tempo e o meu tempo
todo unido nos braços deste espaço."

Wednesday, June 14, 2006

Flores e frutos...

Voltarei!


Voltarei!! Nas tempestades
bravias dum Novembro enraivecido.
No vento enfurecido
duma nortada distante.
E serei a maré - cheia
do mar das tuas vontades.
E na chuva que semeia
gotas de água pelo chão,
eu serei na tua mão
um rosário de saudades.

Tuesday, June 13, 2006

Estranho amor...


"Estranho e duro amor que não se farta de partir-se e não se cansa de querer-se. Amor todo feito de distâncias necessárias que te trazem e de partidas sucessivas que me levam. Estranho e duro amor que não se basta e de outros amores se socorre e se compensa e neste alheio compensar-se nunca se alimenta, mas se avilta e se desgasta. Estranho amor, ferino amor, instável amor feito sem muita paz, com certo desengano e um desconsolo prolongado. Feito de promessas sem futuro e de um presente de saudades. Chorar tão dúbio amor quem há-de? Estranho amor e duro amor incerto amor, que não te deu o instante que esperavas e a mim me sobejou do que faltava."

Vida é bela


Quién muere?
Muere lentamente quien se transforma en esclavo del hábito, repitiendo todos los días los> mismos trayectos, quien no cambia de marca.
No arriesga vestir un color nuevo y no le habla a quien no conoce.
Muere lentamente quien hace de la televisión su gurú. Muere lentamente quien evita una pasión, quien prefiere el negro sobre blanco y los puntos sobre las "íes" a un remolino de emociones, justamente las que rescatan el brillo de los ojos, sonrisas de los bostezos, corazones a los tropiezos y sentimientos.
Muere lentamente quien no voltea la mesa cuando está infeliz en el trabajo, quien no arriesga lo cierto por lo incierto para ir detrás de un sueño, quien no se permite por lo menos una vez en la vida, huir de los consejos sensatos.
Muere lentamente quien no viaja, quien no lee, quien no oye música, quien no encuentra gracia en si mismo. Muere lentamente quien destruye su amor propio, quien no se deja ayudar.
Muere lentamente, quien pasa los días quejándose de su mala suerte o de la lluvia incesante. Muere lentamente, quien abandona un proyecto antes de iniciarlo, no preguntando de un asunto que desconoce o no respondiendo cuando le indagan sobre algo que sabe.
Evitemos la muerte en suaves cuotas, recordando siempre que estar vivo exige un esfuerzo mucho mayor que el simple hecho de respirar. Solamente la ardiente paciencia hará que conquistemos una espléndida felicidad.
(Pablo Neruda)>

Saberes e Sabores


Ao sabor do tempo, com os saberes do momento, procuraremos conhecer novos sabores....
Numa busca incessante, numa pressa sentida, com uma vontade sabida, procuremos demonstrar que " quando alguém quer alguma coisa, todo o Universo conspira para que se realize esse desejo".
Comecemos então....
"faço-te amor como bom dia, com o sorriso de sol, coberto de azul e o rosto da terra seduzindo a minha boca com fome de ti."...